O grande redesenho de alimentos - novo estudo lançado pela Fundação

October 04, 2021

As marcas de alimentos e os supermercados têm o poder de fazer com que os alimentos que são positivos para a natureza sejam a norma geral. O último estudo da Fundação, O grande redesenho de alimentos: regenerando a natureza com a economia circular, explica como isso como pode acontecer.

Tudo o que você come é projetado, desde o seu delivery favorito até o tipo de legumes que você compra no supermercado. As empresas fazem escolhas sobre o que comemos, sua aparência, sabor e o quão bom esses alimentos são para nós e para a natureza.

Em toda a Europa e no Reino Unido, as 10 principais empresas de bens de consumo de alto giro (FMCGs, na sigla em inglês) e varejistas influenciam cerca de 40% da terra agrícola. O grande redesenho de alimentos mostra como eles podem, ao repensar os ingredientes usados e como eles são produzidos, fornecer escolhas que são melhores para os clientes, para os agricultores, e para o clima - ao mesmo tempo em que evitam 70% da perda de biodiversidade associada ao setor de alimentos (em comparação com o cenário usual).

O design circular para alimentos demonstra oportunidades para as empresas irem além de um melhor fornecimento (isto é, prover os mesmos ingredientes cultivados com práticas regenerativas) e redesenhar seus portfólios de produtos. Nosso estudo explora uma combinação de quatro oportunidades de design onde as empresas podem agir:

  1. Ingredientes diversos - Utilização de uma maior diversidade de variedades e espécies animais e vegetais como ingredientes
  2. Ingredientes de menor impacto - Substituições simples que reduzem os impactos ambientais, mesmo quando produzidos de forma convencional
  3. Ingredientes reciclados (ou upcycled) - Transformando coprodutos de alimentos não comestíveis em novos ingredientes
  4. Ingredientes produzidos de forma regenerativa - Produzindo alimentos de maneiras que geram resultados positivos para a natureza. Esses métodos também podem ser aplicados na forma como ingredientes diversos, de menor impacto e reciclados são cultivados.

Atualmente, a indústria de alimentos é responsável por um terço das emissões globais de gases de efeito estufa e mais de 50% da pressão induzida pelo homem sobre a biodiversidade; mas em vez de pressionar a natureza para produzir alimentos, os alimentos podem ser projetados para que a natureza prospere.

A transição para o design circular para alimentos começou. Por exemplo, a Guima Café, do Brasil, e está colaborando com a Nespresso e a ReNature para a transição para a produção regenerativa. A Danone estabeleceu contratos de longo prazo com produtores de leite, ajudando a aliviar a volatilidade do mercado a curto prazo, permitindo-lhes assim adotar práticas que podem apoiar resultados regenerativos. E a WWF e a Knorr lançaram um livro de culinária com 50 alimentos do futuro.

Leia o resumo executivo em português para conhecer a fundo essa visão.

O relatório completo etá disponível em inglês nesta página.

Retornar a notícias >>

We have detected that you are using an older browser. Please update to the latest version of Google Chrome, Mozilla Firefox or Microsoft Edge to improve your user experience.

If you are unable to upgrade your browser, please see our Technical FAQ page to get tips on how to improve your user experience.